Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020
Telefone: (55) 3327 1071
Whatsapp: (55) 99732 1071
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempestades
29°
20°
23°C
Salto do Jacuí/RS
Tempestades
Chuvas esparsas
27°
19°
18°C
Arroio do Tigre
Chuvas esparsas
No ar: Feirão da Geração
Ao Vivo: Feirão da Geração
Política

Ronaldo Nogueira pede demissão da Funasa

Ronaldo Nogueira pede demissão da Funasa
12.02.2020 10h14  /  Postado por: Cladimara Bohrer

Alvo de operação da Polícia Federal (PF) na semana passada, o presidente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Ronaldo Nogueira (PTB-RS), pediu demissão do cargo nesta terça-feira (11).

Na última quinta-feira (6), a PF deflagrou uma ação no prédio da Funasa, em Brasília. Os agentes investigam supostos desvios no extinto Ministério do Trabalho, comandado por Nogueira entre 2016 e 2018, no governo Michel Temer.

Segundo a PF, o esquema envolve uma empresa de tecnologia contratada para gerir sistemas informatizados e detectar fraudes no seguro-desemprego. Os desvios somariam R$ 50 milhões. Além de Nogueira, o ex-assessor do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, Pablo Tatim e o ex-deputado federal Jovair Arantes (PTB-GO) também são investigados.

Na operação, batizada de Gaveteiro, 41 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em endereços no Rio Grande do Sul e em Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e no Distrito Federal. A ação também incluiu dois mandados de prisão preventiva – os nomes dos alvos não foram divulgados. Eles poderão ser enquadrados nos crimes de peculato, organização criminosa, fraude à licitação, falsificação de documento particular, corrupção ativa e passiva.

Nos bastidores, já se comentava que a permanência de Nogueira na Funasa era insustentável. Em nota, o ex-ministro disse que decidiu se desligar para ter “mais tempo para se dedicar a sua defesa” e para “preservar as atividades e a integridade da Funasa”. Ele também afirmou ter “absoluta convicção” de sua inocência.

Pastor, Nogueira chegou à fundação apoiado pela bancada evangélica na Câmara. Foi na gestão dele à frente do Ministério do Trabalho que foi aprovada a legislação que compõe a reforma trabalhista. Bem-vistas por empresários, as mudanças nas regras chegaram a ser cogitadas bandeiras de campanha na tentativa de reeleição do ex-parlamentar. Mas os dados sobre desemprego não o favoreceram. Ele também enfrentou polêmicas na pasta como a portaria do trabalho escravo.

Leia a nota de Nogueira na íntegra

Em virtude das notícias veiculadas na imprensa nacional nos últimos dias, com ilações sobre o meu nome, tomei a decisão individual de apresentar meu pedido de demissão do cargo de presidente da Funasa – Fundação Nacional de Saúde.

Tomei a iniciativa deste gesto por entender ser o melhor a ser feito no momento. Desta forma, terei mais tempo para dedicar-me à minha defesa e para trazer à luz a verdade dos fatos, bem como, preservar as atividades e a integridade da Funasa, fundação esta que aprendi a admirar e a respeitar, pela importância do seu trabalho para o povo brasileiro.

Tenho muita honra de ter presidido esta instituição e dos resultados que alcançamos, juntamente com os servidores. Neste último ano, reduzimos as despesas de custeio em 15%, entregamos mais de 340 obras e mais de 2.500 estão em execução.

Desde já, agradeço a confiança do presidente da República, Jair Bolsonaro, a mim depositada, e o apoio dos ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e do chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Em especial gostaria de agradecer a todos os servidores e à direção da Funasa pela colaboração e pelo trabalho realizado. Sem dúvida, vocês têm muito do que se orgulhar.

Tenho absoluta convicção da minha inocência em relação às denúncias envolvendo meu nome e, com toda a serenidade necessária, provarei isso junto às instâncias responsáveis.

*ZH

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.