Quarta-feira, 24 de Julho de 2024
Telefone: (55) 3327 1071
Whatsapp: 55 3327 1071
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
23°
13°
15°C
Salto do Jacuí/RS
Tempo nublado
Tempo nublado
23°
13°
15°C
Arroio do Tigre
Tempo nublado
No ar: Toque Geração
Ao Vivo: Toque Geração
Polícia

Polícia Civil deflagra Operação Saraquá, que visa desarticular organização criminosa que atua em várias regiões do Estado

Polícia Civil deflagra Operação Saraquá, que visa desarticular organização criminosa que atua em várias regiões do Estado
04.07.2024 09h56  /  Postado por: Reportagem

A Polícia Civil, na manhã desta quinta-feira (04/07), através da Delegacia de Polícia Especializada na Repressão aos Crimes Rurais e de Abigeato (DECRAB) de Bagé, deflagrou a Operação Saraquá, que tem por objetivo o enfrentamento aos crimes de furto, receptação e falsificação de defensivos agrícolas, estelionato, além de fraudes de documentos públicos. Durante a ação, fertilizantes foram apreendidos e também foi constatado que uma empresa operava irregularmente há cerca de um ano.

Ao todo, 34 mandados de busca e apreensão foram cumpridos nos municípios de Porto Alegre, Passo Fundo, São Borja, São Pedro do Sul, Taquari, Santo Ângelo, Palmeiras das Missões, Santa Bárbara do Sul, Salto do Jacuí, Boa Vista do Incra, Rio Pardo, Cruz Alta, Ibirubá, Boa Vista do Cadeado, Panambi, São Sepé, Agudo, Alegrete, Cachoeira do Sul, Santa Cruz do Sul, além de Bandeirantes/MS e Jataí/GO.

A ofensiva visa desarticular organização criminosa que atua em várias regiões do Estado. Mais de trinta pessoas e duas empresas são investigadas por crimes rurais.

As investigações tiveram início em abril de 2023, após a DECRAB/Bagé identificar os autores de dois furtos de defensivos agrícolas em Dom Pedrito. Na sequência, outros furtos em Santana do Livramento, Alegrete, Rosário do Sul e São Gabriel foram elucidados.

Também foram identificadas duas empresas que atuam no ramo de venda de defensivos agrícolas e fertilizantes em Porto Alegre, Passo Fundo e Taquari. Conforme as investigações, as empresas são suspeitas de, além da receptação de produtos agrícolas furtados, atuarem na falsificação de insumos agrícolas.

Para justificar seus estoques de produtos falsos e/ou furtados, as empresas fraudavam compras de defensivos agrícolas de pessoas que integram o esquema e que possuem talão de produtor. As notas eram emitidas como se fossem vendas de produtores rurais para empresa com CNPJ, o que é ilegal. As vendas desses defensivos superam um milhão e cem mil litros, o que leva a uma estimativa financeira superior a R$ 100 milhões de reais

A Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (SEAPI) atuou com a Polícia Civil durante as análises das transações comerciais ocorridas entre investigados e empresas, exercendo papel fundamental no fornecimento de informações e rastreio das vendas ilegais e fraudulentas.

Para a realização das diligências, a DECRAB/Bagé contou com o apoio de policiais das 3° DPRI, 4° DPRI, 5° DPRI, 6°DPRI, 9°DPRI, 13° DPRI, 14° DPRI, 16° DPRI, 19° DPRI, 21° DPRI, 21° DPRI, 26° DPRI, 28°DPRI, da equipe Operação Protetores das Fronteiras e Divisas (base Pedras Altas), de fiscais do Ministério Da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) e da Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (SEAPI).

A ação teve participação da Delegacia Especializada de Combate a Crimes Rurais e Abigeato (DELEAGRO) de Mato Grosso do Sul, do Grupo Especial de Investigações Criminais (GEIC) e da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM), ambas pertencentes à 14ª Delegacia Regional de Polícia de Jataí de Goiás.

 

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.