Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020
Telefone: (55) 3327 1071
Whatsapp: (55) 99732 1071
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo limpo
23°
12°
12°C
Salto do Jacuí/RS
Tempo limpo
Tempo limpo
23°
11°
11°C
Arroio do Tigre
Tempo limpo
No ar: Repórter Geração
Ao Vivo: Repórter Geração
Justiça

Júri de autor de chacina em Pinhal Grande será em junho deste ano

Júri de autor de chacina em Pinhal Grande será em junho deste ano
01.05.2018 17h13  /  Postado por: Elion Silva

O júri que vai decidir qual será a condenação de Ariosto da Rosa, 47 anos, autor confesso da chacina ocorrida em Pinhal Grande em novembro de 2016, já tem data para ocorrer. A sessão será no dia 12 de junho, às 9h30min, no Fórum de Júlio de Castilhos. As informações são do Diário de Santa Maria. Ariosto é acusado de estuprar e assassinar a enteada Bianca Moraes de Salles, 16 anos, e de matar outras três pessoas logo em seguida – Iran Gonçalves dos Santos, 10 anos, Alex Cardoso Leal, 17, e Afonso Gonçalves, 60. Os crimes foram cometidos com o uso de um revólver e ocorreram na localidade de Rincão dos Basílios, interior de Pinhal Grande.

O juiz da comarca de Júlio de Castilhos, Ulisses Drewanz Gräbner, que determinou o julgamento do réu pelo Tribunal do Júri, vai presidir a sessão. De acordo com informações do Fórum de Júlio de Castilhos, o sorteio dos 25 jurados convocados será no dia 15 de maio. No dia do júri, haverá novo sorteio que estabelecerá a formação dos sete jurados que compõem o conselho.

Ainda não está definido quantas testemunhas serão interrogadas no dia do julgamento. De acordo com o assistente de acusação do processo, o advogado Daniel Tonetto, ele ainda não conversou com o promotor que atua na acusação para definir quais testemunhas devem ser arroladas. Ainda segundo ele, por conta da confissão do autor, ele acredita que não será necessário convocar todos aqueles que já prestaram depoimento no processo.

Na sentença, Ariosto responde por homicídio qualificado. No caso de Bianca, com quatro qualificadoras: motivo torpe, uso de recurso que dificultou a defesa da vítima, ocultação de outro crime – o estupro da adolescente, crime pelo qual ele também responderá -, e feminicídio. Em relação a Iran, por motivo fútil, uso de recurso que dificultou a defesa da vítima e pena aumentada em um terço por se tratar de menor de 14 anos. Quanto a Alex, por motivo fútil e com uso de recurso que dificultou a defesa da vítima. E sobre Afonso, por motivo fútil, com uso de recurso que dificultou a defesa da vítima e pena aumentada em um terço por se tratar de maior de 60 anos.

O Diário tentou contato por telefone com o advogado de Ariosto, Airton Tadeu Silva de Mello, mas as ligações não foram atendidas. Ariosto está recolhido na Penitenciária Estadual de Santa Maria (Pesm) desde 20 de dezembro de 2016. Ele foi encaminhado para a Pesm depois de ser capturado em um matagal, em Dona Francisca, após ficar 22 dias foragido. Na época, as escolas da cidade, que tem cerca de 4 mil habitantes, chegaram a suspender as aulas até que o suspeito fosse encontrado.

Foto: Germano Rorato (Arquivo Diário)

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.