Sexta-feira, 18 de Outubro de 2019
Telefone: (55) 3327 1071
Whatsapp: (55) 99732 1071
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Alguns chuviscos
25°
16°
20°C
Salto do Jacuí/RS
Alguns chuviscos
Alguns chuviscos
24°
16°
20°C
Arroio do Tigre
Alguns chuviscos
Ao Vivo:
Polícia

Diretor do Hospital Candelária revela que não tinha conhecimento sobre ponto escolhido para atualização de tornozeleira

Diretor do Hospital Candelária revela que não tinha conhecimento sobre ponto escolhido para atualização de tornozeleira
09.01.2019 16h54  /  Postado por: Magali Drachler

O homicídio que chocou a comunidade de Candelária e região na manhã de terça-feira, 8, no acesso ao Hospital Candelária levanta agora um outro questionamento. De quem partiu a autorização para que a atualização da tornozeleira eletrônica de Antônio Gomes Rios, 48 anos, fosse efetuada junto a um local com circulação de tantas pessoas, considerando que a vítima já havia passado por outras duas tentativas de homicídio em 2018?

Em vídeo com imagens das câmeras de segurança, divulgado pela Polícia Civil, é possível ver o exato momento em que Rios é atingido, corre do seu executor, que busca junto a motocicleta e seu comparsa uma outra arma e retorna para finalizar o crime.

Nas cenas, mais do que a execução, é possível perceber a movimentação de pessoas junto a porta do hospital, inclusive pessoas com dificuldade de locomoção, um idoso e uma criança que correm desesperados ao perceber a ação dos criminosos.

De acordo com o delegado de polícia de Candelária, não é de competência da Polícia Civil determinar os pontos de atualizações das tornozeleiras dos apenados, mas sim da Coordenadoria da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe).

Em contato com o órgão, nossa reportagem foi informada que a Susepe não mais se pronunciaria sobre o caso, entretanto, no jornal Gazeta do Sul edição desta quarta-feira, o delegado penitenciário regional, Andreo Camargo, justificou que a mudança do local da atualização da tornozeleira do apenado se deu após a primeira tentativa de homicídio contra o mesmo em frente ao Presídio Estadual de Candelária. Na época, Rios conseguiu fugir, mas duas pessoas morreram no local, e uma tempo depois.

Na mesma edição do jornal, a juíza Luciane Inês Morsch Glesse, da Vara de Execuções Criminais (VEC) regional, disse não ter sido comunicada do ponto estipulado para o serviço e que jamais autorizaria a medida pelo risco que oferecia a comunidade. No entanto, o delegado da Susepe afirma que a mudança não necessitaria da autorização da VEC.

O que disse o diretor do Hospital – Conforme o diretor do Hospital Candelária, Aristides Feistler, em nenhum momento a Casa de Saúde foi informada que este tipo de ação era executada junto às dependências do hospital. “Isso é um absurdo. Ninguém tinha conhecimento sobre esse assunto. Por que não fazem esse serviço na Brigada Militar ou na Delegacia de Policia?”, questionou o diretor.

Ainda segundo ele, os funcionários do hospital ficaram em choque, alguns deles necessitando receber medicação. “Foram seis tiros do lado de fora e mais seis que atingiram a porta em direção ao interior do hospital. Deus colocou a mão. Outras pessoas poderiam ter sido atingidas, inclusive pacientes que passavam por atendimento, já que alguns projéteis passaram as paredes de gesso”, desabafa.

Diante dos riscos, a juíza da VEC encaminhou um pedido ainda na terça-feira para a delegacia penitenciária, solicitando que toda atualização do tipo, ocorra em frente ao presídio.

Com a suspeita de que o crime possa se tratar de uma retaliação em função de outro crime envolvendo a vítima, agora a Polícia Civil segue com as investigações.

 

Reportagem: Mariéle Gomes Gross/Sorriso FM Região dos Vales

 

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.