Sexta-feira, 03 de Julho de 2020
Telefone: (55) 3327 1071
Whatsapp: (55) 99732 1071
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Ensolarado
11°
9°C
Salto do Jacuí/RS
Ensolarado
Tempo limpo
11°
5°C
Arroio do Tigre
Tempo limpo
No ar: Feirão da Geração
Ao Vivo: Feirão da Geração
Comentário e opinião

E se não tivéssemos o SUS?

E se não tivéssemos o SUS?
05.05.2020 09h24  /  Postado por: Magali Drachler

Por décadas, lideranças de todos os setores, em especial do meio rural, lutaram pela construção de um sistema de saúde que atendesse a todas as pessoas e que os agricultores, quanto tivessem a infelicidade de cair doentes num hospital, não fossem obrigados a vender seus animais de trabalho ou uma parte de terra como acontecia com frequência. Era isso ou correr o risco de  morrer em casa, sem assistência. Situação que as pessoas hoje com menos de 30 anos desconhecem.

Na Constituição de 1988, resultado das grandes mobilizações sociais, garantiu-se a universalização da saúde, definindo-se que é dever do Estado garantir saúde gratuita a toda a população brasileira. Nasceu aí um dos melhores sistemas de saúde do mundo, o SUS, que contempla a articulação de todas as redes de saúde, equipamentos, UTIs, vacinação, atendimento de acidentes – Samu, transplantes de órgãos em grande quantidade, tecnologias de ponta e, especialmente, a organização para enfrentar epidemias como a que estamos vivenciando neste momento.

E se não tivéssemos o sistema SUS, na atual crise certamente os mortos chegariam aos milhares, como vem ocorrendo em países ditos ricos e desenvolvidos como Estados Unidos, Itália, Espanha, entre outros.  Precisamos entender o SUS também como orientador das políticas de isolamento social e medidas de prevenção adotados por Estados e municípios.

Nestes últimos anos não faltaram pessoas e nem governantes tentando desmontar esse instrumento, defendendo a privatização da saúde.  Drenando os recursos que deveriam ser destinados a esta área importantíssima, especialmente para o pagamento de juros e serviços da dívida.  O governo federal e a maioria dos governos estaduais não têm aplicado o percentual mínimo na saúde que é de 15% e 12%, respectivamente, da receita corrente líquida.  Na maioria das vezes esta conta tem sobrado para os municípios.

Não fosse a atitude vigilante e reivindicadora de parcela da sociedade – e aqui quero destacar a luta da Comissão Estadual de Mulheres da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag/RS), entre outros que fizeram um abaixo-assinado com mais de cem mil assinaturas em defesa da saúde pública e gratuita – provavelmente o SUS neste momento grave da nossa história não teria condições de atender a demanda que se apresenta.

Mas o destaque principal deve ser dado as pessoas que integram o SUS, médicos, enfermeiros, auxiliares, pessoal da limpeza, motoristas, atendentes, e de todos demais setores de apoio que estão garantindo a recuperação de milhares de pessoas, salvando vidas.  Nosso agradecimento a todos estes profissionais.   Reafirmamos o compromisso, como legislador, de continuar na defesa do SUS com dinheiro suficiente para bem atender toda a população brasileira. Porque sem o SUS estaríamos vivendo o caos e a morte. Nossa luta é pela vida.

*Deputado Heitor Schuch

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.