Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019
Telefone: (55) 3327 1071
Whatsapp: (55) 99732 1071
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Ensolarado
26°
12°
25°C
Salto do Jacuí/RS
Ensolarado
Tempo limpo
28°
13°
25°C
Arroio do Tigre
Tempo limpo
No ar: Bom Dia Geração
Ao Vivo: Bom Dia Geração
Notícias

CEEE gastou R$ 3,5 bilhões em despesas trabalhistas nos últimos oito anos, diz presidente da estatal

CEEE gastou R$ 3,5 bilhões em despesas trabalhistas nos últimos oito anos, diz presidente da estatal
Presidente Marco Soligo diz confiar no potencial da empresa - Fernando Gomes / Agencia RBS
09.10.2019 16h48  /  Postado por: Redação

Em entrevista ao Gaúcha Atualidade desta quarta-feira, 9, o presidente da CEEE, Marco Soligo, destrinchou os números da companhia de energia, que segue em processo de desestatização. De acordo com Soligo, no rol do passivo bilionário da companhia, constam R$ 3,5 bilhões pagos nos últimos oito anos em despesas trabalhistas.

— A companhia, quando cheguei, me deram a informação de que a empresa tinha pago em despesas trabalhistas R$ 1,7  bilhões nos últimos oitos anos. Se reajustar isso (em valores corrigidos) dá R$ 3,5 bilhões em despesas trabalhistas, gastos de ações movidas na Justiça do trabalho. Isso é muito dinheiro — definiu o presidente.

O recolhimento do ICMS também é mais um fator que reforça a desestatização da companhia. Este ano foram R$ 500 milhões de inadimplência relativos ao imposto com o governo. O presidente elencou problemas relativos a acordos coletivos incorporados no passado, como 14º salário para todos os servidores, além de despesas na tarifa.

Soligo, contudo, afirmou que a companhia é atrativa à iniciativa privada “do jeito que ela está”, e negou que o processo de privatização necessariamente leve o Estado a assumir o passivo bilionário.

— A companhia vai ser desestatizada. Existem diversos modelos e isso vai ser definido pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). O que posso garantir é que estamos em uma inteligência descomunal para minimizar qualquer passivo que fique para a sociedade — enfatiza Soligo.

Em agosto, o governo assinou contrato com BNDES para definir privatização da CEEE. O objetivo, entre outras coisas, é identificar qual o real valor da companhia e de quanto é o passivo. Os serviços vão ser feitos em parceria com a equipe do governo gaúcho. Ainda não está claro se o modelo adotado para a venda da companhia incluirá o passivo bilionário. Quando dívidas entram no pacote, o preço mínimo da venda tende a baixar. Também é comum que governos assumam ao menos parte da conta para não espantar possíveis compradores.

A expectativa é de que o leilão seja lançado em meados de 2020, a partir da modelagem. A frente da companhia com a missão de colocar as contas em dia, o novo presidente demonstra otimismo além dos números: tem potencial para “ser a melhor empresa do setor elétrico brasileiro” sem o engessamento do serviço público.

— Ela é uma companhia maravilhosa em termos de sistemas de TI (tecnologia da informação), muito poderosa em termos de qualidade das pessoas muito bem formadas, tem um sistema comercial muito bom. Pode parecer (ruim), porque não recolhe ICMS. Não é, é muito forte. — diz —  Quando falo com outros executivos que estão atuando em empresas privatizadas recentemente e eles falavam: “Marco, nós não compramos uma companhia porque ela não existe, compramos uma concessão”. Aqui não é o caso, essa companhia é poderosa — completa.

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.