Sexta-feira, 19 de Abril de 2019
Telefone: (55) 3327 1071
Whatsapp: (55) 99732 1071
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
26°
13°
25°C
Salto do Jacuí/RS
Tempo nublado
No ar: Frequência 107
Ao Vivo: Frequência 107
Repórter Geração

CEEE garante que barragens do Sistema Jacuí estão dentro dos padrões de segurança

CEEE garante que barragens do Sistema Jacuí estão dentro dos padrões de segurança
29.01.2019 14h59  /  Postado por: Magali Drachler

O desastre do rompimento da barragem de Brumadinho em Minas Gerais, na última sexta-feira, 25, a pouco mais de três anos da tragédia em Mariana, trouxe à tona a segurança destes empreendimentos em todo o país. Na região são quatro barragens do Sistema Jacuí de geração de energia elétrica: Barragem Dona Francisca, de Itaúba, Maia Filho e Passo Real.

 

Nesta terça-feira, 29, o chefe do sistema, Mário Hermes Júnior e um dos engenheiros responsáveis pela manutenção, Ricardo Eifler, em entrevista ao Repórter Geração, esclareceram dúvidas principalmente de como é feito o monitoramento, a manutenção das estruturas e as diferenças em cada barragem.

 

De acordo com eles, as usinas são reguladas por quatro diferentes órgãos: FEPAM, ANEEL, AGERGS e a Agência Nacional de Águas (ANA). O engenheiro explicou que em 2010 foi criada uma Lei de Segurança de Barragens na qual é necessário classificar as barragens. “Então essas nossas quatro barragens são consideradas pela legislação como “alto dano potencial”. O que isso significa? Se vierem a ter algum problema nós vamos ter uma grande área atingida. Em função disso, nós temos que fazer inspeções, sendo essas regulares, que são feitas anualmente onde é olhada toda a instrumentação, todos os laudos que foram feitos e ainda se faz um relatório de adequações e se emite um documento que é enviado para a ANEEL para que ela tenha ciência. Mensalmente nós fazemos inspeções rotineiras e quase que diariamente existem pessoas circulam por essas estruturas e anotam qualquer tipo de anomalia para que seja feita uma análise e uma correção, se necessário, ou alguma intervenção caso for considerado mais urgente”, esclareceu Ricardo Eifler.

 

 Ele, juntamente com Júnior, disseram ainda que todas as barragens são projetadas para que tenham certo grau de flexibilidade entre as emendas na concretagem, o que as faz apresentar pequenas movimentações. O nível desse deslocamento é medido constantemente por meio de instrumentos específicos.

 

As barragens ainda possuem um sistema de drenos de vazamentos, o que também é previsto na sua construção. Não existe reservatório sem um mínimo grau de vazamento, o que é monitorado de forma periódica.

 

A Barragem Dona Francisca e a de Itaúba, segundo os entrevistados, passaram por correções na sua estrutura ainda durante a construção, após a constatação de algumas fragilidades. Depois disso, não houve nenhuma ameaça.

 

Os entrevistados garantiram que a equipe de trabalho é qualificada e que população pode ficar tranquila pois as quatro barragens estão em conformidade com a Lei. Eles ainda convidaram a população para conhecer as usinas e disseram que todo o monitoramento é documentado e fica à disposição de eventuais análises.

 

Ouça a entrevista no player acima.

 

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.