Notícias

Notícia

11 de Outubro de 2017

Polícia investiga suposto caso de agressão na prefeitura de São Francisco de Assis

        A Polícia Civil de São Francisco de Assis, na Região Central do Rio Grande do Sul, vai investigar um suposto caso de agressão denunciado por uma servidora da prefeitura da cidade. Ela diz ter sido empurrada pelo secretário de Turismo e Desportos William Gomes, depois de uma discussão no gabinete na manhã desta terça-feira (10).

Ao G1, a funcionária Maricelis Bastiani relatou estar sendo "perseguida" pelo chefe, há cerca de três meses. "Ele começou a pegar no meu pé, para eu trabalhar sem me pagar. Mas como sou muito calma, fui levando", sustentou a mulher, de 39 anos, que trabalha na prefeitura há cerca de seis.

Na manhã desta terça (10), os dois discutiram. A servidora disse que foi empurrada. "Caí em cima de um computador e machuquei as contas", afirmou.

Ela registrou boletim de ocorrência na Delegacia de Polícia e passou por exame de corpo de delito. No documento, a mulher acusa o secretário de assédio e lesão corporal.

No entanto, Gomes nega. Ele também registrou ocorrência por dano ao patrimônio público.

O secretário alegou que ela teria quebrado o equipamento e negou a agressão. Por telefone, à RBS TV, Gomes atribuiu a denúncia a "divergências políticas".

A Polícia Civil vai investigar os dois lados. Os dois envolvidos já foram ouvidos.

"A servidora alega que ela faltou ao trabalho alguns dias em função de estar com salário atrasado, sem receber, e diz que passou a ser perseguida pelo funcionário. E ele nega, diz que não é verdade, que não existe perseguição e nem agressão", ponderou o delegado Marcos Viana, titular da Delegacia de São Borja, mas que responde ppr São Francisco de Assis. As informações são do G1/RS.

Rádio Geração FM - Departamento de Notícias

Atenção: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Site da Geração FM

Comente